TecnoArteNews

Notícias sobre cultura e arte contemporânea

terça-feira

6

março 2012

0

COMENTÁRIOS

LigaLingha, projeto de música eletrônica experimental executada ao vivo

Escrito por , Postado em Destacadas, Estéticas Tecnológicas

projeto_violuino2

LigaLingha é um projeto audiovisual de música eletrônica do músico e performer Fabiano Fonseca (FFONSECAF) e do artista audiovisual Henrique Roscoe (1mpar). Os artistas propõem uma performance ao vivo utilizando interfaces personalizadas, instrumentos autônomos e sensores de movimento para criar uma experiência que explora os limites do analógico e do digital.

O projeto consiste em música eletrônica experimental executada ao vivo, com espaços claros para improviso, momentos extremos e dançantes. A fim de se criar uma maior interação entre o espectador e o palco, o duo busca soluções no corpo, na construção de interfaces analógicas e instrumentos que controlam som, luz e imagem em tempo real, ampliando a configuração do palco para além dos laptops.

Para o projeto foram criados instrumentos e interfaces personalizados que são tocados em partes específicos do show. A primeira construída foi ‘Ligam’, um instrumento cilíndrico que tem 2 oitavas (26 notas), 6 knobs, 1 slider e LEDs RGB em seu interior. Ao se tocar cada nota ou girar um knob, esta informação é enviada para o computador e transformada em MIDI, podendo assim usar os timbres de um software de áudio para gerar sons, além de controlar seus parâmetros de efeito, volume, etc. Este instrumento é tocado ao vivo e seus sons podem ser enviados para qualquer instrumento que aceite entrada MIDI. No caso do Ligalingha, são usados instrumentos VST dentro do ableton live. Este software controla também faixas MIDI que controlam as cores do instrumento, que mudam através de LEDs RGB instalados em seu interior.

Na parte visual, foi desenvolvida uma interface que faz a junção entre o analógico e o digital chamada ‘Videola’. Seu funcionamento é bem simples, sendo constituído de uma bandeja onde são colocados discos pintados à mão, que têm sua velocidade alterada por um knob. Esta velocidade pode ser controlada também pelo computador, através de sinais MIDI. Cada imagem é pintada sobre um CD pelos artistas, de forma que, em movimento, o resultado fique interessante. Uma câmera é posicionada em cima da interface filmando seu movimento e enviando a imagem para um computador, que aplica efeitos simples e manda o sinal para o projetor.

Um terceiro instrumento está sendo construído e vai se chamar ‘Violuino’. Ele será completamente autônomo em relação ao computador e irá gerar sons e imagens em tempo real. Com 4 botões e 4 sliders, cada um toca uma nota respectivamente. Cada slider dá o pitch da nota, enquanto o botão é usado para acioná-la. Outras funções são volume e arpejo, com controle de velocidade. Também pode-se escolher entre 5 timbres diferentes. As imagens geradas são diretamente relacionadas com as notas tocadas e saem do instrumento direto para o projetor por um cabo VGA.

 

Além das interfaces personalizadas, são também usadas no projeto interfaces convencionais como teclados ou pads. É também usado o sensor kinect para tocar melodias e controlar parâmetros de áudio, sem a necessidade de se tocar fisicamente em um instrumento. No Kinect as notas são tocadas no ar controlando parâmetros dentro do ableton live.

Sobre o autor do texto

Henrique Roscoe é artista digital, músico e designer. Trabalha na área audiovisual desde 2004. É graduado em Comunicação social pela UFMG e Engenharia Eletrônica pela PUC/MG e tem especialização em Design pela FUMEC.

No início de 2008 iniciou um novo projeto audiovisual conceitual e generativo chamado Hol, com o qual já se apresentou nos principais festivais de imagens ao vivo no Brasil como FILE, ON_OFF, Live Cinema, Multiplicidade, KinoLounge, FAD e também no exterior, na Itália (LPM), Suíça (Mapping Festival) e Bolívia (Dialectos Digitales). Participou de festivais de vídeo em vários países como Alemanha, França, Espanha, Holanda, EUA com documentações de suas composições.

É um dos curadores e idealizadores do FAD – Festival de Arte Digital que acontece em Belo Horizonte desde 2007. Desenvolve instalações interativas, programando em processing, max/msp e vvvv e cria instrumentos e interfaces interativas usando sensores e objetos do cotidiano, gerando construções inusitadas. Produz video-cenários para bandas como Earth Wind and Fire, Skank, Roberto Carlos e eventos no Brasil, Alemanha e Estados Unidos. Como VJ participou dos festivais Skol Beats, Creamfields, Nokia Trends, Motomix, Eletronika, entre outros.

Link-se: http://hol.1mpar.com | http://www.1mpar.com | http://www.facebook.com/1mpar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>