TecnoArteNews

Notícias sobre cultura e arte contemporânea

sexta-feira

18

maio 2012

0

COMENTÁRIOS

No Dia Internacional dos Museus, visite Adobe, o Museu de Arte Digital

Escrito por , Postado em Destacadas, Estéticas Tecnológicas

Tony Oursler

No Dia Internacional dos Museus nossa dica é visitar o Adobe Museu de Mídia Digital (AMDM), cuja missão é apresentar e preservar o trabalho inovador digital bem como as opiniões de especialistas que ilustram as formas de mídia digital e os impactos na sociedade contemporânea.

On line desde 2010 é on line, AMDM está aberto 365 dias ao ano, 24 horas ao dia, podendo ser acessado desde qualquer ponto do planeta. AMDM surgiu como um espaço para refletir a importância e o impacto das mídias digitais em nossas vidas. O museu está em constante transformação e apresenta exposições de caráter eclético. A curadoria das exposições é realizada por líderes no campo das artes, tecnologia e negócios com o propósito de inspirar e motivar o diálogo sobre a nossa constante evolução da paisagem digital.O acervo está exposto em um edifício virtual projetado pelo arquiteto italiano Filippo Innocenti, em parceria com o premiado designer Piero Frescobaldi.

O primeiro artista convidado foi Tony Oursler, que já teve seus trabalhos expostos em importantes museus, tais como o Museu de Arte Moderna de Nova York, o Museu Whitney de Arte Americana e a Tate Gallery em Londres. Oursler é um artista cujo nome é destacado pela crítica mundial como uma das figuras mais importantes da recente história da videoarte. Muitos o consideram um dos criadores da vídeo-escultura. Seu caráter inovador permitiu-lhe, ao longo dos anos, experimentar o vídeo como meio de expressão. Através das imagens em movimento busca representar a cultura contemporânea. Mas ele não apenas queria expressar-se através das imagens de vídeo em sentido estrito, como também, de um modo mais original, utilizava e conjugava o vídeo com a escultura, o design, a instalação e a performance.

Desde os anos 1980 Oursler desenvolve um processo original de trabalho em animação que o destaca como um dos pioneiros da videoarte e das técnicas multimídia associadas às instalações. As obras do artista quase sempre incluem a animação de objetos com o uso de projetores, frequentemente fazendo uso de bonecos, elemento importante em seu trabalho. Em suas instalações, o espectador não observa imagens em uma superfície plana retangular. Ao contrário, o visitante vê flores animadas, olhos gigantes que piscam, bonecos que dialogam entre si, o que cria um atmosfera fantástica e delirante que nos devolve de forma crítica toda a imensa quantidade de imagens que consumimos diariamente. A temática de seus trabalhos é a falta de comunicação e o isolamento do sujeito na sociedade contemporânea, além de sua atração e obsessão pela esquizofrênica reprodução de imagens da cultura vitual norte-americana e global.

Também já foi apresentado no Adobe – Museu de Arte Digital a exposição Atoms + Bits = the neue Craft (ABC), de John Maeda, artista, designer, cientista informático e formador mundialmente reconhecido, cuja carreira reflecte a sua filosofia de humanização da tecnologia. Há mais de uma década que trabalha no sentido de integrar tecnologia, educação e as artes numa síntese de criatividade e inovação do século XXI. Vencedor do National Design Award e representado na coleção permanente do Museu de Arte Moderna, Maeda tornou-se presidente da Rhode Island School of Design (RISD) em Junho de 2008.

A mostra consistiu numa representação digital de Maeda, presidente da Rhode Island School of Design (RISD), numa conferência interactiva sobre a forma como os artistas se ligam aos mundos da criatividade digital e analógica (ou manual). Intitulada Atoms + Bits = the neue Craft (ABC), a conferência sublinha a missão do AMDM de disponibilizar um espaço interactivo para apresentação de trabalhos multimédia digitais, bem como proporcionar um fórum para comentário especializado sobre a forma como os suportes digitais influenciam a cultura e a sociedade. A exposição assumiu, então a forma de uma conferência interactiva, com uma representação digital de Maeda a discursar num palco simples que se assemelha vaao seu escritório na RISD. Infografia dinâmica, conteúdo de vídeo e comentários de áudio ilustraram a palestra de Maeda. Cenas dos estúdios artísticos da RISD, incluindo workshops sobre madeira, vidro, metal e papel, demonstraram a riqueza de expressão que, segundo Maeda, deve ser captada no próximo capítulo da arte digital.

Mais recentemente, ocupa o espaço a exposição virtual de Mariko Mori. Com curadoria de Tom Eccles, Journey to Seven Light Bay é um projeto digital que transporta o visitante para a ilha Miyako, em Okinawa, Japão, e permitindo-lhe conhecer o processo de criação da artista para produzir Primal Rhythm, uma instalação escultórica que faz um tributo à beleza das paisagens naturais.

A experiência começa com “Tida Dome”, uma esfera branca, inspirada nas cavernas da ilha, que interage com a luz solar para conectar a mente com a natureza. A estrutura é o meio de transporte nessa viagem que representa a exposição. Uma vez que o visitante está dentro dela, o percurso inicia para conhecer os elementos da instalação: um pilar solar e uma pedra lunar que mudam de cor de acordo com o movimento da maré, durante o solstício de inverno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>