TecnoArteNews

Notícias sobre cultura e arte contemporânea

quarta-feira

25

abril 2012

0

COMENTÁRIOS

Do Mar Purpúreo Exposição de Dione Veiga no Goethe

Escrito por , Postado em Destacadas, Eventos, Exibições, Exposições

Exposicao de Dione Veiga no Goethe 01

O Goethe-Institut Porto Alegre no intuito de promover um verdadeiro intercâmbio cultural traz, anualmente, artistas alemães e exposições de artistas alemães, ao mesmo tempo em que apoia artistas locais. Além de projetos como Artist in Residence e Concurso de Artes Plásticas, convidamos anualmente, um artista já consagrado para ocupar nossa galeria. Neste ano nossa convidada é Dione Veiga Vieira.

De acordo com a crítica Paula Ramos, o título desta exposição “estimula a imaginação do espectador, ao mesmo tempo em que reforça o caráter simbólico da obra de Dione Veiga, artista que há mais de três décadas vem discutindo a carga sensorial e evocativa da matéria”.

A exposição se propõe ser uma síntese do repertório das instalações da artista. O movimento cíclico da vida, a presença/ausência do corpo, a organicidade, as transformações da matéria e da experiência vivida são exaladas pelo conjunto dos trabalhos que incluem fotografia, fotoperformance e uma vitrine horizontal com objetos – esses como parte de uma coleção pessoal em que constam fragmentos de antigas instalações e outros nunca mostrados anteriormente.

Serviço

Exposição:

Do Mar Purpúreo, de Dione Veiga

Abertura:

2 de maio de 2012 | 19h

Com performance de Laura Cattani | 20h

Visitação:

3 de maio a 9 de junho de 2012

De segunda a sexta, das 10h às 20h e sábados, das 10h às 16h

Local:

Goethe-Institut Porto Alegre – Galeria

Rua 24 de Outubro, 112 – Porto Alegre/RS

Entrada franca

Informações:

www.goethe.de/portoalegre

prog@portoalegre.goethe.org |51 2118.7800 c/ Mônica ou Adair

Site da artista:

http://homedioneveigavieira.blogspot.com.br/

*****

Do mar purpúreo

Mar purpúreo: no sentido literal, mar de cor púrpura, de vibrante vermelho-escuro. Na acepção de antigos poetas, mar denso e revolto, que abriga as forças e os seres míticos da terra. O misterioso título estimula a imaginação do espectador, ao mesmo tempo em que reforça o caráter simbólico da obra de Dione Veiga Vieira, artista que há mais de três décadas vem discutindo a carga sensorial e evocativa da matéria.

Observemos o coração desta mostra: a mesa-relicário. Ali estão objetos variados, aparentemente sem qualquer conexão entre si. Afinal, o que faz uma espessa mecha de cabelos ao lado de turvas colheres? Ou o molde dentário de gesso, em meio a peças tão díspares como um livro, uma estrela-do-mar e utensílios de cozinha? Ou, ainda, a pequena boneca de biscuit, dividindo o espaço reservado de uma caixa de madeira com a fina areia do mar? Porcelanas brancas com resquícios de uso; a lamparina translúcida e intacta; a sugestão de um ninho vazio; pedras e conchas, reais e fabricadas; tecidos, cerdas e superfícies a reclamar nosso tato; a forma circular e constante estabelecendo ritmos; um ovo. Também palavras se manifestam, impressas em etiquetas, bilhetes e embalagens: tesouro, intenso, unidos, fragmento, casa, Minerva.

Analisados em seus detalhes e em conjunto, em suas formas, cores e texturas, esses artefatos se articulam em diferentes camadas, propondo múltiplas interpretações e estando abertos ao repertório e à fantasia de cada espectador. Seriam remanescentes de experiências vividas por

Dione? Estaríamos diante de objetos importantes em sua história particular? A mesa metálica, em sua assepsia quase hospitalar, parece desmentir essa hipótese. Há, sim, elementos caros à artista, que a acompanham há anos, reportando-a a situações e a paisagens particulares; há também os de forte potência simbólica, como a concha, ora associada ao peregrino, ora a rituais de nascimento, morte e regeneração, ora às primitivas deusas, sobretudo Afrodite, nascida de uma concha; e há os elementos que foram inseridos devido aos feitios inusitados ou sugestivos, quase sempre de complementaridade: cheio e vazio, masculino e feminino, preto e branco, quente e frio, conceitual e sensorial. Dialogando com artistas como Louise Bourgeois (1911–2010), Eva Hesse (1936– 1970), Rebecca Horn (1944), Tunga (1952) e Nelson Felix (1954), Dione propõe uma permanente tensão entre as coisas que vemos e reconhecemos, e as coisas que presumimos que existem, mas que não se mostram. Repotencializando a realidade, esses objetos e vocábulos funcionam como catalisadores daquilo que a artista chama de “imagens primordiais”, signos que gravitam na esfera do alegórico e do inconsciente, sugerindo ao espectador associações e experiências corporais. Nesse rol, o ovo assume papel medular, tanto formal, como simbolicamente.

Observemos, agora, as fotoperformances: como que cumprindo um ritual solitário, feminino e muito antigo, Dione recolhe esse ovo do mar. Traz consigo uma pequena e translúcida rede redonda, o passaguá. Ar e água o atravessam; metaforicamente, nuvem e mar. Em algum momento, a nuvem se condensará, precipitando-se na forma de chuva e, então, teremos mais uma vez a água. Ar-água, nuvem-mar, água-sal. Na tradição hermética, devido aos seus efeitos curativos, o sal era interpretado como a “luz coagulada do mundo”, o “sal da sabedoria”, o “fogo fulcral oculto”.

Imaculado pelo sal, o ovo que emerge desse mar purpúreo – não por acaso, a praia de Punta Colorada, no Uruguai – é concebido pela artista como uma espécie de bloco de tempo suspenso, sem começo nem fim. Nele se corporifica o que já foi, o que é, o que está por vir. Dione gosta de pensá-lo como uma metáfora de suas próprias obras de arte e, não apenas isso, do processo de transmutação que ela empreende cada vez que insufla novos significados aos objetos cotidianos, deslocando-os de seus usos mundanos para novas configurações poéticas.

Observemos, por fim, o vocabulário poético da artista: corpo, casa, fragmento, transformações e qualidades orgânicas e sugestivas da matéria. São aspectos que atingem o intelecto pelo caminho dos sentidos, provocando-nos através das conexões telúricas e essenciais.

Tais características estão presentes em vários trabalhos de Dione, cingidos por alusões a eventos biológicos, químicos, físicos e metafísicos e cujos títulos imediatamente evocam o viés fenomenológico: O Corpo Invisível (2002), A Calcinação, a Unção e a Floração (2003), Fragmentos Primordiais (2004), O Nascimento de Afrodite (2008), A Liquefação e a Decantação (2008), Condensaciones y Volatilidades (2010). Aliás, muitos dos objetos atualmente dispostos na mesa-relicário também foram vistos nessas instalações, o que confere ao trabalho o caráter de uma arqueologia pessoal, ao mesmo tempo em que escancara a percepção de Dione acerca do espaço-tempo de suas obras: elas não se concluem, não se fecham, mas se transformam continuamente, naquilo que, nas palavras da própria artista, é um “[...] mar estranho e, ao mesmo tempo, familiar.

O mar do pensamento e da memória. Um mar que se liga ao corpo, e um corpo que se liga ao mar.

Continente único, orgânico. Presença que ora se define, ora se dissipa nos objetos, nas imagens, nas palavras. E que os reaviva, os ressignifica a todo momento”.

Paula Ramos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>