TecnoArteNews

Notícias sobre cultura e arte contemporânea

terça-feira

9

outubro 2012

0

COMENTÁRIOS

SIMSOCIAL 2012 discute práticas interacionais em rede

Escrito por , Postado em Destacadas, Encontros, Eventos

simsocial-2012-gitsufba

O Simpósio em Tecnologias Digitais e Sociabilidade acontece nos dias 10 e 11 de outubro na UFBA

Nos dias 10 e 11 de outubro de 2012, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) recebe a segunda edição do SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade: Práticas Interacionais em Rede. O evento é idealizado pelo Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade (GITS), do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA, e se destina a promover debates e circulação das pesquisas produzidas sobre as tecnologias digitais e sociabilidade no Brasil e no mundo.

simsocial-2012-gitsufba

SIMSOCIAL 2012

Cinco principais conferências serão apresentadas durante o simpósio: “Conversação em Rededa Prof. Dra. Raquel Recuero (UCPel); “Corpo, subjetividade e tecnologias digitais: usos de redes sociais na educação” do Prof. Dr. Edvaldo Couto (UFBA); “Ser célebre: o anseio por reconhecimento e as estratégias de visibilidade no ambiente virtual” do Prof. Dr. João Freire (ECO/UFRJ); A Comunicação das Coisas. Internet das Coisas e Teoria Ator-Rede” do Prof. Dr. André Lemos (UFBA). A Mesa Redonda “Metodologia de Pesquisa na Internet” conta com a presença da Profa. Dra. Adriana Amaral (Unisinos), Prof. Dr. Marcos Palácios (UFBA), Profa. Dra. Tânia Maria Hetkowski (UNEB) e mediação do Prof. Dr. José Carlos Ribeiro. Também acontecem a apresentação de trabalhos e lançamento de livros.

O SIMSOCIAL 2012 será transmitido na internet através do portal gitsufba.net/simsocial e das páginas oficiais no Facebook (facebook.com/simsocial2012 e facebook.com/agenciacienciaecultura) que farão a cobertura completa do simpósio. Pelo Twitter o evento poderá ser acompanhado nos perfis @ciencult e @gitsufba com a hashtag #SIMSOCIAL2012.

Histórico

A primeira edição do SIMSOCIAL – Simpósio de Pesquisa em Tecnologias Digitais e Sociabilidade, realizada em 2011 reuniu um importante painel sobre a pesquisa em tecnologias digitais e sociabilidade realizada no Brasil. Foram submetidos cerca de 80 trabalhos, originados de 15 estados brasileiros e Distrito Federal: AL, AM, BA, DF, GO, MA, MG, PA, PI, PB, PR, RJ, RS, SC, SP, TO. Isso representou, de modo geral, uma importante articulação realizada no nosso estado, congregando pesquisadores e estudiosos de diversos lugares do Brasil.

Além disso, o evento, por trabalhar a discussão sobre as mídias sociais, conseguiu colocar a hashtag #SIMSOCIAL2011 nos trending topics do Twitter, durante a manhã do dia 14 de outubro de 2011, ampliando o espectro de abrangência do evento – que teve toda a sua programação do auditório transmitida de forma on-line. A clipagem do evento assim como outras informações adicionais estão disponíveis de forma eletrônica em http://gitsufba.net/simposio/.

Durante o SIMSOCIAL 2011 foram realizadas três conferências, proferidas pelos convidados Fernanda Bruno (UFRJ), com o título “O que diz um traço pessoal digital? Monitoramento, saberes e redes sociotécnicas”, Massimo di Felice (USP), com o tema “Redes Sociais na Internet” e Simone de Sá (UFF), com o título “Entretenimento e Redes Sociais”, além de 11 sessões de trabalho, nas quais foram apresentadas 38 comunicações, de forma oral. Realizou-se, ainda, uma mesa-redonda com a temática “Ampliação do uso das Mídias Sociais: desdobramentos possíveis”, onde estiveram presentes os Professores Doutores membros do GITS: José Carlos Ribeiro, Maria Lucineide Fontes e Fabrício de Souza.

simsocial-2012

Programação do SIMSOCIAL 2012

Confira programação do SIMSOCIAL

10 de outubro de 2012 (quarta-feira)

8h - Credenciamento

8h30 às 9h15 - Abertura

Prof. Dr. José Carlos Ribeiro e Prof. Dr. Edson Dalmonte

9h15 às 10h45 - Conferência de Abertura

Conversação em Rede

Prof. Dra. Raquel Recuero

11h às 13h - Mesa-redonda: Metodologia de Pesquisa na Internet

Profa. Dra. Adriana Amaral, Prof. Dr. Marcos Palácios, Profa. Dra. Tânia Maria

Hetkowski Mediação: Prof. Dr. José Carlos Ribeiro

14h30 às 17h30 - Apresentação dos trabalhos selecionados

Veja a divisão de trabalhos por Núcleos Temáticos (NTs) em : http://gitsufba.net/simsocial/trabalhos-aprovados/

17h45 às 19h – Conferência

A Comunicação das Coisas. Internet das Coisas e Teoria Ator-Rede

Prof. Dr. André Lemos

19h às 20h - Lançamento de livros

11 de outubro de 2012 (quinta-feira)

09h às 10h30 – Conferência

Corpo, subjetividade e tecnologias digitais: usos de redes sociais na educação

Prof. Dr. Edvaldo Couto

10h30 às 12h30 - Apresentação dos trabalhos selecionados

Veja a divisão de trabalhos por Núcleos Temáticos (NTs) em : http://gitsufba.net/simsocial/trabalhos-aprovados/

 14h às 17h - Apresentação dos trabalhos selecionados

Veja a divisão de trabalhos por Núcleos Temáticos (NTs) em : http://gitsufba.net/simsocial/trabalhos-aprovados/

17h às 18h30 - Conferência de Encerramento

Ser célebre: o anseio por reconhecimento e as estratégias de visibilidade no ambiente virtual

Prof. Dr. João Freire

Sobre as Conferências

Conversação em Rede

Prof. Dra. Raquel Recuero

Resumo: A conversação é um fenômeno emergente nos sites de rede social na atualidade, que enfoca as apropriações dessas redes para a interação. A conversação, conforme trataremos nesta palestra, não é algo criado pelos sistemas técnicos, mas uma apropriação das próprias redes sociais desses sistemas de forma a criar elementos e sentidos. Assim, elementos como os turnos, o contexto e etc. que na conversação face a face são essenciais precisam ser reconstruídos na mediação das ferramentas digitais e são construídos pelos atores no espaço.

Dentre as conversações mediadas pelo computador, há ainda uma forma nova. É aquela da conversação em rede, que transcende o grupo que a iniciou, navegando pelas conexões dos sites de rede social e ampliando a audiência e a participação dos demais, gerando conversações públicas, coletivas e mediadas. Esse fenômeno, juntamente com o efeito da “hiperconexão das redes sociais” traz uma série de efeitos e conseqüências para o cotidiano, tais como a apropriação das ferramentas dos sites para a legitimação da face, a propagação do discurso da violência e do ódio, a publicização do cotidiano, e mesmo efeitos práticos, como dentro do monitoramento e etc., que serão também temas tangenciados por esta palestra.

A Comunicação das Coisas. Internet das Coisas e Teoria Ator-Rede

Prof. Dr. André Lemos

Resumo: A conferência tem como objetivo investigar o campo de desenvolvimento da “Internet das Coisas” (Internet of Things – IOT). A Internet das coisas é, de acordo com CERP 2009 (Cluster of European Research Projects on the Internet of Things), uma infra-estrutura de rede global dinâmica com capacidade de auto configuração, baseada em protocolos de comunicação padrões e interoperáveis onde “coisas” físicas e virtuais têm identidades, atributos físicos e personalidades virtuais utilizando interfaces inteligentes e integrados às redes telemáticas. As coisas/ objetos tornam-se participantes ativos nos processos de informações tanto nos negócios, como na vida social, sendo capazes de interagir e de comunicar entre si e com o meio ambiente através do intercâmbio de dados. As coisas reagem de forma autônoma aos eventos do “mundo real / físico” e podem influenciá-los por processos sem intervenção humana direta. O novo campo da IoT reúne questões técnicas e sociais. Durante o ano de 2008, o número de coisas ligadas à Internet excedeu o número de pessoas no planeta. Por ser um arranjo econômico, social, político, comunicacional a Internet das coisas é um campo privilegiado para a aplicação da Teoria Ator-Rede (TAR). A TAR busca identificar as mediações que se estabelecem na associação entre atores humanos e não humanos. Para a ANT, o social é o que resulta destas associações, e não o contrário. O objetivo aqui é compreender as consequências morais, éticas e políticas dessa “comunicação das coisas”. Com a Internet das coisas, questões como vigilância, privacidade, sociabilidade e interação “humano – não-humano” estão em jogo. Analisar a IoT pela ótica da TAR pode ser interessante para pensar o que Latour chama de “parlamento” ou “democracia” das coisas.

Corpo, subjetividade e tecnologias digitais: usos de redes sociais na educação

Prof. Dr. Edvaldo Couto

Resumo: O trabalho parte do princípio de que na cibercultura o corpo e a subjetividade são construídos por meio das múltiplas narrativas pessoais que cada um de nós cria e difunde nos muitos ambientes da rede. Quero enfatizar o argumento de que as narrativas pessoais, por meio de textos, sons e imagens, especialmente nas redes sociais digitais, despertam imenso fascínio porque se tornaram fonte privilegiada de sociabilização, meio espetacular para as invenções e exibições de corpos e subjetividades voláteis onde se festeja a vida por meio das conexões.

Espero que este argumento seja suficiente para concluir que a crescente e triunfante espetacularização do eu nos coloca no centro de uma esfera de expressão pública, o território das redes, onde a privacidade se escolhe. A partir daí seus vestígios passam a ser celebrados porque alimentam as excentricidades que moldam a nossa vida digital. Tal discussão será desenvolvida no âmbito das relações e usos das redes sociais na educação.

Ser célebre: o anseio por reconhecimento e as estratégias de visibilidade no ambiente virtual

Prof. Dr. João Freire Filho

Resumo: A aspiração de ser alguém na vida se encontra fortemente atrelada, no imaginário social contemporâneo, à conquista da projeção midiática. Conforme ratificam diversas pesquisas empíricas, a celebridade figura como uma cativante utopia de realização pessoal nas sociedades em que predominam ideais e crenças individualistas. A expectativa de fruição das recompensas materiais e subjetivas da fama parece mais factível com o surgimento de inúmeras plataformas on-line. Nesta conferência, examino algumas das estratégias de visibilidade no ambiente virtual adotadas tanto por aqueles que ambicionam destacar-se do mundo dos anônimos, quanto por indivíduos preocupados em gerenciar a imagem pública já sedimentada.

Convidados

Adriana Amaral

Doutora em Comunicação pela PUC-RS. Professora dos cursos de Comunicação Digital e Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos. Suas áreas de interesse são: culturas juvenis e tecnologias, cibercultura, subculturas, fandoms, soundstudies, teoria da scifi, consumo de música online, redes sociais e métodos de pesquisa. Autora dos livros Visões Perigosas: uma arque-genealogia do cyberpunk. Comunicação e cibercultura (2006) e Métodos de Pesquisa.

André Lemos

André Lemos é professor associado 1 da Faculdade de Comunicação da UFBA, Doutor em Sociologia pela Université René Descartes, Paris V, Sorbonne, Pós-Doutor pela University of Alberta e McGill University, Canada. Pesquisador 1B do CNPq e consultor da Fapesp, CNPq e CAPES. Autor dos livros Cidade Digital (Edufba, 2007), Cibercidade II (e-papers, RJ, 2005), Cibercidades (epapers, RJ, 2004), Olhares sobre a Cibercultura (Sulina, 2003), Cultura das Redes (Edufba, 2002), Cibercultura. Tecnologia e vida social na cultura contemporânea (Sulina, 2002, 2004, 2008) e Janelas do ciberespaço (Sulina, 2000). Coordenador do Grupo de Pesquisa em Cibercidades (GPC).

Edvaldo Couto

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1998). Atualmente é professor Associado na Universidade Federal da Bahia, no Departamento de Educação. É autor de vários livros, e organizou recentemente Corpos mutantes. Ensaios sobre novas (d)eficiências corporais (2009), A vida no Orkut. Narrativas e aprendizagens nas redes sociais (2010) e Triunfos do corpo. Polêmicas contemporâneas (2012). Desenvolve atualmente a pesquisa “Cibercultura e Educações: Narrativas de professores nas redes sociais digitais”.

João Freire Filho

Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela PUC-Rio. Atualmente, realiza seu pós- doutorado na UFMG. É professor do Programa de Pós-Graduação da ECO/UFRJ. Ministrou cursos como professor convidado nos programas de pós-graduação da UFBA, da PUC-RS e da UFMG. Foi coordenador do GT Comunicação e Sociabilidade da Compós, em 2007 e 2008. Faz parte do conselho editorial das revistas Galáxia (PUC-SP), Contemporânea (UFBA), E-Compós e ECO-PÓS. Tem trabalhos publicados em vários livros e importantes periódicos nacionais, e co-organizou recentemente A promoção do capital humano: mídia, subjetividade e o novo espírito do capitalismo (2011).

Marcos Palácios

Professor do curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA e pesquisador do Grupo Gjol. É, ainda, Professor Visitante na Universidade da Beira Interior (Portugal). Atualmente participa de dois projetos de pesquisa interinstitucionais em comunicação, sendo um nacional (PROCAD) envolvendo quatro universidades brasileiras e um internacional (CAPES/DGU 138/07) envolvendo sete universidades brasileiras e sete da Espanha. Pioneiro na investigação do Jornalismo na Internet no Brasil, Palácios atua principalmente na área do Webjornalismo, do Jornalismo Comparado e das Novas Tecnologias de Comunicação. Autor e organizador de vários livros, sendo o último Ferramentas para análise de qualidade no Ciberjornalismo (org., 2011).

Raquel Recuero

Jornalista, professora doutora e pesquisadora do PPGL e do curso de Comunicação Social da UCPel. Suas áreas de interesse são redes sociais e comunidades virtuais na Internet, conversação e fluxos de informação e capital social no ciberespaço e jornalismo digital. Autora de artigos em importantes revistas nacionais e internacionais e dos livros Redes Sociais na Internet (2009), Métodos de Pesquisa para Internet (2011) e Conversações em Rede: A Comunicação Mediada pelo Computador e as Redes Sociais na Internet (2012).

Tânia Maria Hetkowski

Graduada em Pedagogia, doutora em Educação (UFBA) e pós-doutoranda pela UFRGS. É professora do Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Tecnologias da Informação e da Comunicação, atuando recentemente com ambientes virtuais de aprendizagem, geotecnologias e jogos digitais. Coordena o projeto Città Cosmopolita– Simulador de redes de cidades que visa a interação entre as cidades virtuais construídas pelos estudantes, o uso do sistema na web e em dispositivos móveis, a comunicação com a assistente inteligente baseada na análise do estado afetivo (emoção no texto e na voz), e na geolocalização das cidades.

Serviço:

SimSocial 2012 – Simpósio em Tecnologias Digitais e Sociabilidade

Data: 10 e 11 de outubro

Local: UFBA – Ondina, Salvador, Bahia – Brasil.

Mais informações e programação completa: http://gitsufba.net/simsocial/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>